Maldade Divina

27 de set de 2008

Minhas Poesias




Minhas poesias

Nas minhas poesias...
Deixo meus momentos em desvarios...
Como um cometa, deixo minhas memórias voarem em partículas iluminadas pela imensidão do espaço...
Caladas aos ecos dos ventos...
Mas quando em desvario chorar teu coração?
Iras descobrir em cada verso meu!
O desejo do meu coração que vagueia em busca do teu abrigo...
Querer ficar ao teu derredor, dizendo que só ama a ti.
Nas minhas poesias...
Deixo marcas eternas e, emoções contagiantes, como um ciclone intemporal.
O sonho que sonhei...
Era sonho de amor.
Um sonho libertino, avassalador, em constância busca de lenir minhas cicatrizes
Nas minhas poesias...
Como um vendaval, ousadamente busco minha felicidade...
A felicidade de um poeta louco que não sabe fingir de amar.
Nas minhas poesias...
Deixo a mercê minhas loucuras desvendadas.
Porque, já não há mistérios em meus versos.
Pois sem camuflagens, eles exprimem minha loucura por ti.

Irismar Andrade Santiago
Direitos Reservados

Nenhum comentário:

Postar um comentário