Maldade Divina

17 de jun de 2009

Absurdo de Mim




Absurdo de mim.

Que absurdo de mim.
Exilar-me de ti.
Você que me endoidece com este sorriso ingênuo.
Com este teu jeito de me olhar, de me querer.
Com teu cheiro gostoso, de mulher insinuante.
Que me fascina, me inebria.
Como exilar-me de ti?
Se este desejo irresistível de te querer me enlouquece?
Se esta paixão voluptuosa faz esquecer meus ais.
Como exilar-me de ti?
Da suavidade deste teu corpo nu que me excita...
Do prazer de enroscar-me nos teus cabelos e beijar tua boca doce?
Exilar-me de ti?
E não viver esta alegria de te amar?
De alimentar meus sonhos?
Eu me rendo aos teus encantos amor meu.
Quero minha alforria!
É um absurdo de mim.
Exilar-me de ti.

Irismar Andrade Santiago

Direitos Reservados

1 de jun de 2009

Exilado



Exilado

Esta distância de ti.
É meu exílio.
É como ouvir uma canção triste.
É a mais terrível das prisões.
É como a clausura, numa cela escura.
Onde se vive os horrores da solidão.
Neste meu exílio!
Vivo a agonia dos meus sonhos não realizados.
E alucinações desvairadas, me fazendo carente, doente.
Neste meu exílio!
Só a lembrança da tua candura, faz desvanecer meu tédio.
Neste meu exílio!
O ar que respiro tem o teu cheiro.
A voz que ouço, são os teus lábios sussurrando...
Pronunciando palavras doces...
Que, através do vento faz os ecos despertar em mim, o desejo de ti.
Neste meu exílio!
Pelas minhas retinas feridas pela escuridão.
O sol que meus olhos vêem...
É a luz dos teus olhos que adentra meu corpo e trespassa meu peito.
Provocando emoções, despedaçando meu coração, incendiando meu íntimo.
Neste meu exílio!
Só a lembrança do teu sorriso, faz sorrir meu coração amortecido.
Exilado de ti.


Irismar Andrade Santiago

Direitos Reservados